Como aplicar o mapeamento de dados em seu e-commerce

Como aplicar o mapeamento de dados em seu e-commerce

Independentemente do tipo de negócio, a transformação digital tornou o mapeamento de dados em seu e-commerce uma prática muito importante para enfrentar os desafios dos tempos.

Afinal, esse processo descreve sistematicamente as interações dos consumidores com seu conteúdo e os canais, desde os estágios iniciais da conversão do lead até o pós-venda.

Portanto, registrar, cruzar e analisar essas informações tornou-se uma necessidade para entender melhor o público-alvo e obter insights para orientar a tomada de decisões estratégicas, principalmente na área comercial.

E aí, o que acha de saber usar o mapa da jornada do cliente como pano de fundo para realizar ações que realmente aumentem as vendas do seu negócio? Confira as quatro dicas que separamos neste post.

O que é o mapeamento de dados?

O mapeamento de dados envolve a identificação e classificação de todas as informações pessoais dentro de uma empresa.

É quase como um raio-x de todas as coisas dados e privacidade. Só então as empresas podem obter uma visão completa de sua situação atual e da maturidade de sua proteção de dados.

Esta não é uma tarefa fácil, pois a grande maioria dos dados encontra-se de forma “confusa”, uma vez que existe em vários departamentos: comercial, marketing, recursos humanos e financeiro, etc.

Vale ressaltar que o mapeamento não é estático e pode ser alterado a qualquer momento à medida que os dados forem sendo processados.

Para facilitar esse esforço de mapeamento de dados, algumas perguntas são fundamentais:

  • Os dados são pessoais?
  • São compartilhados?
  • Quem tem acesso?
  • Como foram coletados?
  • Onde estão armazenados?
  • Quem utiliza os dados?
  • Onde os dados são processados?
  • Como são tratados?
  • Por quanto tempo os dados são mantidos?
  • Quais são os riscos e como minimizá-los?

Passos simples para fazer o mapeamento de dados

Os negócios B2B e B2C são capazes de dividir essa jornada em etapas de conscientização, consideração e decisão do comprador e, a partir daí, desenvolver estratégias para atrair e gerar mais vendas. A partir daí, você pode desenvolver um mapeamento de dados usando as quatro técnicas a seguir:

  1. Crie uma buyer persona ideal para o seu negócio

Antes de planejar como interagir em cada etapa, você deve definir as buyer personas do seu negócio, que são os arquétipos do comprador ideal.

Com ele, é possível identificar quais necessidades dos prospects precisam ser atendidas, bem como suas expectativas e comportamentos – insumos que são a base para o mapeamento da jornada do cliente.

  1. Tenha um mapa da jornada do cliente detalhado e rico em informações

Uma das formas de utilizar essa ferramenta é criar interações únicas para cada uma de suas etapas. Nesse sentido, é necessário criar um mapeamento de dados detalhado da jornada do cliente com informações sobre todo o processo desde a fase de prospecção.

Algumas boas práticas a seguir são:

  • determine quais são as etapas sob a perspectiva do cliente, já que a ideia é promover um atendimento personalizado que  atenda ao máximo suas necessidades e dores;
  • saiba que existem diferentes tipos e exemplos de mapeamento de dados da jornada do cliente e eles podem ser desenhados a partir de fontes diversas, como o primeiro canal de contato, produto ou serviço alvo da análise;
  • entenda que devem existir objetivos claros em cada fase para que o consumidor avance no sentido da compra;
  • identifique os principais pontos de contato da jornada, nos quais as interações acontecerão mais fortemente;
  • descubra quais são os objetivos do público em cada etapa, por exemplos: saber quais são os sintomas para identificação de suas dores, as melhores soluções para seu problema ou qual prestadora de serviço aceita parcelamento da compra;
  • por fim, explore as sensações e emoções que geram engajamento com os potenciais compradores.

  1. Saiba quais são as interações são mais importantes em cada fase

As empresas podem aprender a planejar a jornada de um cliente desde o primeiro contato com uma marca – por exemplo, por meio de uma interação em um call center ou um anúncio em redes sociais – até a compra real, que pode ocorrer em uma loja física -loja de argamassa ou e-commerce.

Isso garante, inclusive, que a empresa avalie quais são os melhores espaços para conquistar clientes e aprimore aqueles que precisam ser aprimorados para melhorar a experiência de compra.

Essas informações podem ser consultadas pela inteligência de mercado de uma organização para entender o que está causando esse churn rate nesse ponto do mapeamento de dados da jornada do cliente.

Portanto, analisando as variáveis, é possível determinar quais pontos podem ser melhorados para aumentar a taxa de conversão.

  • Conscientização

É preciso entender que, nessa fase, os consumidores ainda não entendem suas necessidades ou o impacto de não solucionar seus problemas.

Por isso, investir em conteúdos fortemente otimizados e personalizados para as personas é uma das ações mais importantes neste momento.

Pois, assim, ela entenderá que precisa encontrar rapidamente uma solução para suas necessidades, e verá essa possibilidade nos serviços prestados pela empresa.

  • Consideração

Considerando que o líder já entende o seu problema, agora se busca a melhor solução. Para simplificar o processo de negócios, as diferenças de produtos e serviços devem ser expostas nesta etapa.

Assim, ao final desta etapa, os potenciais clientes compreenderão o valor que a diferenciação de uma empresa pode proporcionar.

Ou seja, não há necessidade de longas discussões na hora de vender, pois além disso, o vendedor já possui todos os dados e pode fazer uma abordagem resolutiva e objetiva.

  • Decisão

Finalmente, nesta fase, a persona considerou possíveis soluções e agora pode tomar uma decisão. Conforme mencionado anteriormente, o vendedor precisa estar disposto a adequar a proposta às necessidades finais do cliente.

No caso do segmento B2B (Business-to-Business), onde uma visita de negócios (dependendo do tipo de empresa) apresentará um pitch de vendas, pode ser uma boa opção para esta etapa.

  1. Invista no engajamento do cliente para fazer um bom mapeamento de dados

Envolver os clientes criando associações de valor é uma maneira eficaz de aumentar a satisfação do cliente e aumentar a lealdade a uma empresa e seus produtos.

Isso permitirá que ele interaja mais com a marca e promova o “boca a boca” em momentos-chave da divulgação, como nas mídias digitais e nas rodas de relacionamento.

Em outras palavras, as empresas precisam encontrar os clientes certos, proporcionar a eles a experiência de compra perfeita e, então, cultivar ótimos relacionamentos e para isso fazer um bom mapeamento de dados.

Conheça as soluções da Infracommerce para te ajudar neste processo!

Fale com um especialista

Leia também

Multi Warehouse Fulfillment Gerenciado: O que é?

Multi Warehouse Fulfillment Gerenciado: O que é?

Já ouviu falar da estratégia multi warehouse? Essa é uma das soluções para ter um Fulfillment gerenciado. Entenda como funciona o processo e como aplicar.

Acessar
Existe diferença entre marketplace e marketing digital?

Existe diferença entre marketplace e marketing digital?

Veja as diferenças entre marketplace e marketing digital. Duas modalidades ideais para qualquer negócio online ter sucesso no processo de vendas.

Acessar
Evite ruptura de estoque com soluções InfraLog

Evite ruptura de estoque com soluções InfraLog

Evitar a ruptura de estoque no seu negócio utilizando os serviços da InfraLog. A solução Infracommerce que disponibiliza a gestão completa do seu estoque!

Acessar

Explore todos os assuntos do Blog

Revolucione sua
Customer Experience!


Descubra qual solução Infracommerce é a ideal para o sucesso do seu negócio.

Preencha o formulário abaixo que nossa equipe
entrará em contato para mais informações








Obrigado! Seu contato foi enviado com sucesso!
Oops! Algo deu errado, tente novamente.